Gestão Data-Driven: O Big Data como seu aliado na hora da decisão

Uma frustração de grande parte das empresas é, em uma época com tanta informação à disposição, continuar tomando decisões baseadas em intuições, experiências passadas ou achismos. Afinal, os dados não deveriam proporcionar caminhos mais assertivos?

A Gestão Data-Driven surgiu visando sanar este problema e têm garantido avanços notáveis no gerenciamento de equipes. Conheça um pouco mais sobre o assunto:

O que é Gestão Data-Driven?

A Cultura Data-Driven, ou Orientada por Dados, existe quando uma empresa organiza seus processos e métricas com base na inteligência extraída de sua base de dados.

A Gestão Data-Driven é aquela na qual as decisões são orientadas por dados, estatísticas, métricas e números. Isso significa que o julgamento das ações passa a ser menos subjetivo, ganhando o embasamento objetivo dos dados.

Veja Mais: Data-Driven Marketing para aumentar suas receitas

Como é a Gestão Data-Driven?

Nem todas as pessoas estão preparadas para gerir equipes orientadas por dados. Existe um escopo básico de atividades que os gestores precisam reunir para fazê-la. Algumas das principais atividades que devem ser colocadas em prática são:

  • Levantar as métricas corretas

“Há uma diferença entre números e números que importam”
Jeff Bladt e Bob Filbin em coluna publicada na Harvard Business Review.

Um dos passos mais importantes para dar início às decisões orientadas por dados é definir quais métricas são importantes. Boas métricas são aquelas consistentes, fáceis de se coletar e que influenciam determinantemente nos resultados do negócio.

Dados podem vir de diferentes fontes e é preciso que se defina qual o mais indicado para nutrir uma base. Pesquisas de satisfação, relatórios encomendados para empresas especializadas e softwares como o Zoox Smart WiFi são algumas das fontes mais comuns de dados.

  • Fazer as perguntas certas

Enquanto a análise de estatísticas quantitativas é feita por analistas de dados, cabe aos gestores o exercício de fazer as perguntas corretas visando encontrar as respostas necessárias para o negócio. Em artigo publicado em 2013, Thomas Davenport lista seis perguntas que devem ser feitas mediante análises de dados:

  1. Qual foi a fonte desses dados?
  2. Quão bem esses dados representam a população?
  3. Esses dados incluem exceções? Como elas afetam os resultados?
  4. Quais premissas estão por trás desses dados? Poderiam algumas condições invalidar esses dados e premissas?
  5. Por que você decidiu por essa abordagem específica? Quais alternativas você considerou?
  6. Qual a probabilidade de variáveis independentes influenciarem neste resultado?
  • Conhece o básico sobre Data Visualization

Nem todo mundo precisa ser formado em Estatística, mas o básico de visualização de dados é necessário para trabalhar com Data-Driven. Interpretar gráficos, saber fazê-los, lidar com variáveis, distribuições, exceções, comparações, tudo isso enriquece a análise e ajuda a transformar a base de dados na melhor amiga de uma gestão.

Confira também: 5 Dicas para conhecer melhor seu público