Copa do Mundo de Futebol Feminino: Como o Big Data ajuda a montar grandes times

copa-do-mundo-feminina-futebol-big-data-match-day

O Liverpool foi o grande vencedor da Liga dos Campeões de 2019. Ao vencer o Tottenham por 2 a 0, o time de Anfield coroou a utilização de uma estratégia inovadora no futebol mundial: o uso do Big Data para trazer inteligência às decisões.

Enquanto esportes como baseball e basquete utilizam análise de dados há anos para melhorar a eficiência dos times, até recentemente essa prática era negligenciada no futebol. Com o início da Copa do Mundo de Futebol Feminino, teremos a oportunidade de ver mais uma vez o Big Data em campo.

Big Data: como a análise de dados pode ajudar dentro e fora do campo

Dentro de campo: análise de desempenho

Coletes, chuteiras, chips na bola, mapas de calor. A quantidade de dados recolhidos em uma partida de futebol é gigantesca. Após a coleta, os dados vão para uma plataforma e são minuciosamente analisados pela equipe técnica, que extrai métricas como distância percorrida, velocidade, resistência, conclusão de passes, taxa de recuperação, possibilidade de lesão, etc.

A seleção feminina da Holanda já adotou a prática. Em 2017, na Eurocopa, foram feitos os primeiros testes junto à Leiden University. O resultado? O primeiro título da Holanda na competição.

“Estamos sempre procurando maneiras de melhorar nossas possibilidades. Esta abordagem vai fornecer dados que nos levarão mais longe do que antes. Vai ser muito interessante e estamos ansiosos pelos resultados.”, diz Sarina Wiegman, treinadora da seleção laranja.

Fora de campo: gestão eficaz, assertiva e criativa

A gestão orientada por dados tem sido um grande diferencial nas contratações dos times. Naby Keïta, volante da Guiné, foi encontrado no campeonato austríaco após se destacar em uma estatística: cruzamentos corretos. Contratado pelo Liverpool, está agora entre os jogadores mais valorizados da Europa.

“Nós sabemos que alguém passou horas estudando aquele conteúdo, mas o treinador não enche a gente com estatísticas e análises. Ele só nos diz o que fazer”, diz o meio-campista inglês Alex Oxlade-Chamberlain, jogador do Liverpool.

Um produto recente do Big Data no futebol é o conceito de “metas esperadas” (xG). O xG é uma métrica usada para determinar se um jogador deve ser esperado para marcar um gol em uma situação. É calculado a partir da análise de cada chute que um jogador faz e atribui a ele um valor esperado. A próxima etapa envolve a comparação desses valores entre as partidas e a realização de observações sobre o jogador e do desempenho em equipe.

Esse tipo de análise facilita a montagem das equipes e de esquemas táticos que extraiam o melhor de cada atleta, facilitando a execução de um futebol bonito e eficaz. Em um mercado que movimentou € 28.5 bilhões na Europa em 2018, cada informações pode ser crucial.

Match Day: o Big Data revolucionando a experiência do torcedor

O “Match Day” é um termo utilizado por pessoas ligadas ao esporte para analisar a experiência do torcedor no dia de um evento esportivo. O conceito visa levantar o máximo de informações, desde o momento em que o torcedor recebe o insight de assistir à partida, até o momento em que ele volta pra casa depois do jogo, visando propor melhorias à experiência.

O Big Data tem sido um poderoso aliado dos times nessa análise. Além das ações que antecedem o jogo, como promoções específicas para determinados tipos de clientes ou sócios de clubes, o Match Day tem sua utilidade mais importante nas redondezas do campo.

Recentemente foi completada a instalação de WiFi e redes 4.5G nos principais estádios do Brasil. A utilização dessas redes pode ser uma fonte importante de dados. A cada torcedor conectado, o sistema solicita uma série de informações que auxiliam na composição de um perfil do torcedor. Por meio do WiFi, em aplicações como a Zoox Media, o torcedor pode ser exposto a campanhas publicitárias segmentadas, direcionando-o a lojas, eventos ou ações dentro do estádio.

O mapa de calor das conexões também pode auxiliar os clubes a entenderem o fluxo dentro dos estádios. Por onde vem cada torcida? Quais são os pontos de encontro? Onde torcidas rivais podem ter problemas? Esse tipo de informação pode auxiliar não apenas nas vendas, mas também na segurança e gestão dos estádios.

Copa do Mundo de Futebol Feminino

A Copa do Mundo de Futebol Feminino teve início no último dia 7 de junho, na França, e conta com 52 partidas. Segundo o Comitê Organizador do evento, mais de 1 milhão de ingressos já foram vendidos para o evento.

Estados Unidos, Austrália, Alemanha, França, Holanda e Brasil são as sensações e concorrem ao título de favoritas. Será que o Big Data fará o gol do título?